sábado, julho 30, 2011

Pronto, Falei: “Vendo a vida pela escada”


"Quantas vezes você quis fugir, brincar de perfeição e esquecer tudo que passou e seguir em frente sem passado, fotos e recados de amor eterno?
Quantas vezes se arriscou e até brigou por defender aqueles devaneios em que lá no fundo nunca acreditou?
Seus amigos se foram, as pessoas que você acha que adora estão a Km de distância e tudo que você mais acreditou que fosse o certo na verdade é uma trama.
Quem estava ao seu lado quando você mais precisou? Quem te conhece melhor do que você mesmo e sua mãe? A quem você recorre quando a noite é longa e fria demais? Em quem você pensa quando olha o céu noturno repleto de estrelas?
A crise de meia idade chegou mais cedo e você entra em pânico porque até agora o homem perfeito não bateu a sua porta e os semideuses não são lindos de morrer como é na TV ou em seus sonhos mais fantasiantes.
E você começa a se martirizar que deveria ter curtido mais, se arrepende porque se entregou demais e porque abusaram da sua paciência e bondade quando você nada mais era do que bobinha, sem enxergar nada além do que amor, amor e amor.
Caia na real! Os fuxicos existem, Lobo mal é um ser predador que pode ser domado, Chapeuzinho não é uma santa e as Vovós já não ficam mais deitadas numa cama esperando a morte pelo Sedex. “O Príncipe encantado” trocou de time, se casou ou não quer nada sério com você, “Shrek” é feio e sem educação, mas que em compensação foi o único entre tantos outros pomposos reis que teve coragem suficiente para amar “Fiona” como ela realmente era e não pelo titulo que ela ostentava em “Tão, tão distante”.
Dê um tapa em si mesma e comece a perceber que você não pode sobreviver aos fatos e a vida como se eles fossem os piores do mundo e colocar todas as pessoas, sem antes passá-las em uma peneira, em um pedestal. Você não tem que assumir uma postura 100% egoísta e se isolar de tudo e de todos, porque temos que tentar compreender o universo dos outros, mas não precisa cometer o erro de se apaixonar perdidamente pela casca ao invés de procurar enxergar a essência alheia, deixar de ser sonso e ir ao fundo e não só até a contra capa das coisas.      
Acima de tudo você precisa parar de ser lamentar, de procurar erros, se comparar aos demais e viver a vida em “Stand by”. Internalizar que é bom ser sensível, mas ter senso crítico, que é bom amadurecer, mas não perder a criança interna, e que amor quando é amor é tão forte e livre de sentimentos ruins de pose que você terá forças para deixá-lo partir quando os círculos se findarem, e ter a certeza de que péssima ou ótima  a vida é para ser vivida e não estragada a toa como um pote de leite mal armazenado.    

Breve inspiração com os poemas: "Filtro solar" de Mary Schmich (Interpretado no Brasil pela 1ª vez por Pedro Bial no dia 01/01/2003, “Fantástico”), e "Minimamente feliz" de Leila Ferreira, disponível no blog "Alguma coisa a mais pra ti ler". "

7 comentários:

Luna Sanchez disse...

Pois é, Nine..."equilíbrio" continua sendo o artigo mais desejado de todos os tempos.

Um beijo enorme, flor!

Adoro-te, viu?

Rebeca Postigo disse...

Gostei...
Encaixou perfeitamente em determinadas ideias que andam rondado minha mente...
Ótimo texto!!!

Bjs

Maggie May disse...

desliga o dvd, a internet, os sonhos e enfrenta a vida real, doi mas sara!

Bia Jubiart disse...

Oi Bella!

Desapareceste! Te vi na Rita e cá estou...

Passa na Jubiart!

Beijoooooooooooooooo

Lívia Inácio disse...

me vi em cada parágrafo.

acordei pra vida. rsrs

beijos

Rita disse...

pois muito obgda mocinha!! belo puxão de orelhas!!!
veio de encontro com o que discutíamos anteriormente.
bjos meu anjo!

Ana Seerig disse...

Todos precisamos nos dar um tapa de vez em quando. E acho que encarar o significado disso e mudar o necessário é o mais importante, assim como é o mais difícil...