quinta-feira, setembro 05, 2013

Men At Work

Enquanto descobria no “Superplay” as bandas “Australian Crawl” e “Gang Gajang”, me lembrei que não faz tanto tempo ganhei de presente um disco do “Men At Work” do meu, então distante e, querido amigo Gabriel. Ele havia me prometido há séculos, que quando desse novamente as caras por aqui me daria uma lembrança sua. Coisa esta que eu nunca levei muito a sério, porque nós mal nos conhecíamos na época.


Conta à lenda, que nós nos conhecemos na escola, mas precisamente na 6ª série. A questão é que ele me achava metida e séria demais para puxar comigo qualquer assunto, e por isto eu mal me lembro do seu rosto, e muito menos da sua voz, mas isto não impediu que anos mais tarde, voltássemos a nos encontrar.

Era 2005, e eu toda feliz com dois cd’s de rock metal selecionado em mãos corri, o mais rápido possível, os corredores do Dom Orione para encontrar o meu best friend de colégio Nivaldo. Minha empolgação era tamanha que abri mão de passar meu monótono final de semana furando meus novos discos enquanto desenhava caveirinhas em meu caderno para que ele pudesse desfrutar daquele som com os irmãos e os primos no sitio do tio perto da cidade. Ainda me lembro dele me agradecendo por isto com a frase “Rock clássico dos bons!”.


Foi neste mesmo sitio que o Gabriel descobriu que aquela mesma Allyne que havia colocado seu nome em todos os cantos daquele cd, além de prima de uma das suas melhores amigas, também batia altos papos musicais com o primo dele, que como já falei é, um dos meus melhores amigos. A verdade é que nosso gosto musical bateu, as conversas também soaram bem, e graças as redes sociais, somada aos nossos muitos amigos em comum nós podemos nos reaproximar e finalmente romper com aquelas primeiras impressões precipitadas da escola.

E é por isto que Man at Work aparece entre nós, porque sempre conversávamos sobre tudo, mas a banda musical que mais povoava nosso “afinando a língua” era Skid Row. Se bem me lembro nós só tocamos no assuntos “surf rock” uma única vez antes disto, e foi mais do que surpresa passar meu carnaval ouvindo rock australiano. Não que eu não os conhecesse, pois graças à vinheta de “Procurando Nemo” de 2003, eu já andava louca por uma música de balanço legal que tocava no trailer, mas nem com reza e milhões de buscadas nas rádios me chegava aos ouvidos o nome desta música, e muito menos que banda tocava. Enquanto todos me diziam que era Dire Straits, eu insistia em dizer que não, que não era a mesma voz...


Mais de quatro anos depois, foi preciso uma aula cabulada na faculdade, um mp3 fajuto e os ouvidos rebeldes de uma amiga minha para me soar aos ouvidos o nome que eu tanto queria: “Man at work”. Por isto e por outras que esta banda me é especial... Porque me lembra do Gabis, me traz lembranças das matanças de aula na facul e me recorda o quanto “Procurando Nemo” é um filme gostoso de assistir em uma manhã de sol. 

O cd que o Gabriel me deu? Fica guardado a sete chaves e longe de pessoas curiosas, mas o arquivo copiado... Bom, este graças aos céus não se estraga nunca!  


2 comentários:

Erica Ferro disse...

Do Men At Work, só conheço "Down Under" e gosto imensamente. Tem uma melodia muito gostosa. =D

Beijo, moça!

Sacudindo Palavras

Fabio Rocha disse...

Passei pra deixar um beijo. Vi um comentário carinhoso seu em meu blog antigaço. :)