terça-feira, novembro 01, 2011

"Tocha humana sem medo algum de dizer o que pensa"



Nunca gostei de expor meus amigos mais do que o necessário, no entanto sempre gostei de demonstrar o quanto estes são especiais para mim, ao seu modo e manias. Falava com a Érica Ferro sobre isto e minha compulsão por homenagear as pessoas que eu amo, assim como a idéia de retornar com a “Série Homenagens” no meu blog. E retornei: 1° com a Ana, 2º com meu irmão, 3° com a Bruna, 4° com a Rita, e 5° com meu Mor Benzão, e já falei sobre alguns dos meninos em outras ocasiões. E

Já que falamos na Érica... Poucas pessoas sabem, mas nós duas tivemos uma “briga”, uma das quais eu classifico como das maiores que eu já pude esta envolvida. Não porque partimos para agressões extremas e palavrões, mas porque meu caráter estava em jogo e também o jeito sincero da Ericona de ser. Eu me chateei e cheguei a chorar, e ela não ficou legal. Claro que eu dei motivos para que isto acontecesse e as besteiras surgissem de ambos os lados, e precisamos da Ana para apaziguar os ânimos.

Mas moral da historia: Eu ganhei uma grande amiga. Amiga esta que me sacudiu até quase uma crise, mas que me fez perceber a forma que eu estava encarando certas coisas e superficializando julgamentos absurdos. Discutir com ela foi desgastante! Até porque eu fiquei sem palavras e ela com um ar de Ferro. Mas o resultado final foi longe de qualquer expectativa.

Por quê? Porque de todas as pessoas que eu conheço que normalmente não tem a menor coragem de se mostrar como são, ela foi completamente o contrário. Eu não me apaixonei pelas palavras dela, mas pela pessoa transparente, direta e cheia de personalidade que ela é, e foi preciso a gente “ir no tapa” para que eu enxergasse isto.

Eu sei que a gente não esta livre de outros embates, até porque eu sou como um vulcão adormecido e imprevisível que não mede as palavras e a Érica é como uma tocha humana sem medo algum de dizer o que pensa. Porém, caso isto aconteça de novo, eu tenho a certeza de que jamais deixarei ela se afastar de mim, por quê? Porque eu amo ela exatamente assim: Doida, devaneada, descarada e explosiva. Arretadamente Rock and Roll!!!


Come as you are/Nirvana – Porque eu sei que ela gosta dessa!!!!! rs

4 comentários:

Erica Ferro disse...

Allynezona, como eu disse a você por SMS e por e-mail, não fazia a menor ideia que a nossa discussão tivesse te abalado tanto a ponto de você chorar. Na verdade, tenho a compulsão de dizer quase sempre o que penso. Seria hipócrita se eu dissesse que SEMPRE falo a verdade e SEMPRE exponho o que eu maquino na minha mente. Somos seres errantes, e isso é tudo. Mas eu, não sei porque, gosto de expressar o que eu sinto e o que eu penso. Gosto de falar clara e abertamente o que eu acho das pessoas e das coisas. Às vezes eu sou clara e objetiva até demais, e isso pode machucar alguém. E acho que foi isso que aconteceu com a gente. Eu falei, de um modo meio claro demais e direito demais, o que eu achava de algumas características suas e acho que acabei te magoando e te jogando numa crise existencial. Eh bien, isso não foi de todo mal, certo? Foi importantíssimo pra que a gente se conhecesse melhor e tal.
Enfim, desculpe-me qualquer coisa, querida.
Você é porreta! Rock and roll!
E eu gostei muito da sua singela e breve postagem dedicada a mim.

Um abraço da @ericona, essa louca chata.

P.s: Como as you are! Aí sim, hein? Adoooooooorei! ♥

Pandora disse...

A Erica foi uma das pessoas que conheci a partir da Ana Seerig, sincera, direta, no alvo e eu adoro isso!

Pessoas assim são boas de si lidar, pq dificilmente traem e não tem prazer em falar por trás, se há algo a ser dito vai ser dito a você e na sua frente SEMPRE doa onde doer!

Luna Sanchez disse...

O fogo molda, Nine.

Discutir, brigar, chorar...isso faz repensar, rever, crescer. Que bom que vocês duas tiveram essa oportunidade.

Beijos pra Ericona, beijos pra ti, benzão.

Christian V. Louis disse...

A vida real não é floreada como em muitos livros, músicas, filmes e até mesmo blogues.
Tal como você, costumo geralmente dizer o que penso e, por vezes, devo arcar com as consequências que, por vezes, não são lá muito boas, contanto, se atuasse diferente deixaria de ser eu.
A grande vantagem que vejo aqui entre esta discussão (briga) com sua amiga é que a amizade tornou-se mais fortalecida, o que por orgulho, a maioria acaba-se com muita facilidade.
Sempre tenho o hábito de dizer: orgulho não engorda, engula-o de vez em quando.
Porque vale a pena e para vocês valeram.
Sou o seguidor número 22 de seu blogue.